HUMOR

Acompanhe as Aventuras de Um Técnico Muito Louco !

Atenção: Ao copiarem nossos contos mantenham os créditos. Todos os textos estão devidamente registrados.

 
Home  
Artigos  
Datasheet's  
Esquemas  
Circuitos  
Cursos Online  
Links  
Classificados  
Modo Serviço  
Códigos DVD  
Impressoras / Reset  
Cartuchos / Reset  
     
     
 

DIRETÓRIOS

 
     
Astronomia  
Genealogia  
Ufologia  
Pesca Amadora  
Numismática  
WebCam  
Drivers  
     
     
 

SOBRE O SITE

 
     
Premios Recebidos  
Sites Parceiros  
Links para Freebr  
     

...UM DIA DE CÃO !

Fiz meu curso de Técnico em Eletrônica e Especialização em Monitores por Telefone. No final, recebi certificado de conclusão (Válido no Paraguai), um par de algemas e distintivo. Acho que se enganaram na remessa dos brindes, mas tudo bem. O importante é que embora as ligações telefônicas estivessem sempre com ruídos, compreendi bem a maior parte do curso. Apenas uma vez a aula foi trocada por falha técnica e eu tive que ouvir 27 lições ensinando a cuidar bem de Hamster. Imprimi alguns centos de cartões de visita e distribui em pontos estratégicos. Minha maleta de ferramentas estava pronta: Um multímetro, um jogo de chaves de fenda que comprei numa loja de 1,99 e que por sinal uma delas tentou me matar por duas vezes, alguns pregos, barbante, durex e meia dúzia de anzóis. Alguns dias depois consegui meu primeiro cliente. Eram 9 da manhã quando alguém ligou:

- Alô! É daí que conserta monitores?
- Sim...
- O meu monitor não quer ligar mais. Você pode dar uma olhada?
- Posso sim. Qual a marca do seu aparelho?
- Acho que é... é Samgsuga! Pera aí, deixa eu ver direito... É Samsungo.
.. Isso não iria fazer muita diferença, qualquer que fosse a marca eu teria que encarar e botar o bicho pra funcionar. E lá fui eu. Peguei o primeiro ónibus para o centro da cidade - e quase foi o último. Enquanto ajeitava minha maleta em baixo do braço para pagar e passar na roleta, o estopim do motorista arrancou e eu dei uma cabeçada tão grande no suporte que devo ter esquecido ali 50% do que sabia.
Cheguei na casa do Sr. Moacir alguns minutos depois.
Estavam todos na varanda me aguardando com grande ansiedade, inclusive um cachorro rafeiro e tarado que tentou abusar de minha perna. Nunca tinha visto uma coisas destas! Sacudi ele para uma lado e para o outro até que o infeliz largou minha canela e rolou morro abaixo.
Agora, estava diante do paciente. Um Samsung 3 NE.
Tentava enxergar os parafusos para abrir o gabinete mas a sombra das cabeças dos filhos curiosos e do pai curioso me atrapalhavam. Com muito custo e depois de ter quebrado alguma coisa que estalou quando abri, fui logo alertando:
-Cuidado pessoal isso aqui tem alta tensão, chega a mais de 26 mil volts - é melhor sair todo mundo aqui do quarto enquanto eu verifico o que esta acontecendo.
Meu papo não resolveu muito. Eles me olhavam meio incrédulos e deram apenas um passo atrás. Mas logo iriam se convencer...
- Liguei a tomada e apertei o botão do power. O bichinho deu um clique e nada. Desliguei. Aguardei alguns segundos e abaixei a cabeça bem próximo para tentar ouvir de onde vinha o clique. Liguei e levei um terrível choque na orelha - e até na minha sombra na parede podia vê-la vermelha.
- Agora, a turma não só deu alguns passos atras como saíram todos do quarto me deixando sozinho. Já estava totalmente confuso. A cabeçada no ónibus, o cão tarado e depois o choque. O que eu deveria fazer agora?
- verificar se tinha alta tensão?
- Sim, é claro, ouvi isto numa das lições do curso.
Peguei minha maior chave de fenda, e mesmo assim não tive coragem de aproximá-la da chupeta. Peguei uma vassoura que estava próxima à porta do quarto e prendi a chave de fenda no cabo. Com isto, ganharia uma distância de quase dois metros com o braço esticado. E lá fui eu... quando a chave já penetrava por baixo da chupeta de alta tensão, um infeliz abriu a porta com tanta força dando uma cacetada na parte de baixo da vassoura, que eu simplesmente atravessei o Tubo com a chave em meio a um grande estouro. PUUUMMMMM... Agora não estava mais sozinho . Quase todos os vizinhos já estavam na casa, e os que não entraram enfiaram a cabeça pela janela perguntando se havia sido botijão de gás!
- Sem falar no cachorro tarado que latia igual a um desesperado... Respirei fundo e tentei manter o controle da situação...
- Calma!, esta tudo bem. Este tubo estava afetado pelo efeito estufa e tive que explodi-lo antes que alguém se magoasse.
- Não pode ter sido vírus? - perguntou um idiota na janela.
- Vou ter que leva-lo para minha oficina pois lá tenho mais recursos para diagnosticar.
. Os meses se passaram, e após muita procura consegui outro tubo usado em uma oficina de Tv. Enquanto isso, seu Moacir usava meu velho VGA Mono que fazia sumir a tela quando tinha vontade.
Passava horas e mais horas olhando para a placa do monitor sem saber direito   o que fazer. Isso me fez lembrar a dor de cabeça que me deu quando desmontei o radio do meu tio e não conseguia mais colocar aquela maldita cordinha que mudava as estações (tive que adaptar uma manivela no gabinete)!
- Resolvi então medir todos os díodos. Foram dúzias e em cada 5 que media um parecia estar morto, mas ressuscitava quando soltava uma perna e media novamente. Liguei para o Suporte Técnico do meu curso via telefone. Expliquei ao sujeito o que estava ocorrendo...
- Quando aperto o botão faz um clique e não acontece nada, etc., etc...
Dias depois chegou a resposta pelo correio: Experimente lubrificar o cano com óleo menos viscoso e certifique-se de esteja usando balas no calibre apropriado. O jeito era continuar tentando. Bom, os díodos estavam todos o.k.. Resistências? nem pensar! - iria perder noites e mais noites com tabela de cores. Vamos então para os transístores. Comecei pelos maiores, e foi aí que veio a grande inspiração! Um deles, um C47 qualquer coisa parecia ter ido a praia com óleo de bronzear e tudo. Mal dava para ler o valor. Comprei outro e troquei. Devo omitir aqui que estourei uma trilha com meu ferro de solda, mesmo porque consegui emendar com um pedaço de fio. Horas depois estava tudo montado. Liguei a tomada junto a um disjuntor, me afastei um pouco e liguei o bicho ainda meio tremulo. Parecia incrível, mas o led estava aceso. Corri para pegar o micro e liguei, e lá estava a imagem! - é verdade que ficou um pouco de lado, mas com um pequeno ajuste no pescoço do usuário tudo ficaria bem... Nesse meio tempo já tinha outros equipamentos na bancada, e o primeiro da fila era uma tv p&b de 5" que ainda vinha com radio, toca-fitas, relógio, etc... Mas isso já é outra história.

(Direitos Reservados - Freebr.com)

 

RETORNAR

© Freebr.com  2004-2005 . Direitos Reservados   |   free web template from myfreetemplates.com   Free web templates by MyFreeTemplates.com